quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Wikilivros


Fonte: Pesquisa Mundi

Wikilivros (do inglês Wikibooks), inicialmente chamado de Wikimedia Free Textbook Project e Wikimedia-Textbooks, é um projeto multilíngue mantido pela Wikimedia Foundation destinado a escrita colaborativa e a distribuição de textos didáticos como livros, apostilas e manuais. Estes livros digitais (e-books) são disponibilizados de forma aberta e gratuita, na esperança de permitir que crianças, jovens e adultos buscando o conhecimento tenham acesso a materiais de qualidade escritos em língua portuguesa.
O projeto teve início em língua inglesa, no dia 10 de julho de 2003. Cerca de um ano depois, em 22 de julho de 2004, foi criada uma wiki própria para oferecer os trabalhos em língua portuguesa. Atualmente (Setembro de 2011) estão a disposição 6 544 módulos de texto, distribuídos em cerca de 482 livros. Se quiser conhecê-los, pode consultar nossa biblioteca!
Este site é uma wiki, significando que todos os interessados, incluindo você, seus professores e colegas de classe, podem editar quaisquer módulos dos livros e manuais disponíveis, bastando clicar no link "editar" que aparece no topo de cada tela. Além disso, todo o conteúdo deste site é protegido pelas licenças GNU Free Documentation e Creative Commons Attribution/Share-Alike License 3.0. Ou seja, enquanto as contribuições são devidamente creditadas a seus autores, os direitos de cópia inclusos nestas licenças de copyleft garantem que o conteúdo dos livros sempre possa ser reproduzidomelhorado e distribuído livremente, desde que sejam seguidas algumas regras simples. Conheça os detalhes da nossa política de direitos autorais.


pt.wikibooks.org

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

O lado negro de Coco Chanel: antissemita e agente nazista


Publicado originalmente na Veja

Livro conta segredos chocantes da mademoiselle da moda durante a II Guerra
Coco Chanel, em foto de 1944 (AFP)Coco Chanel, em foto de 1944 (AFP)
Para o mundo da moda, Gabrielle Chanel (1883-1971) era Coco, a estilista que revolucionou o mundo da moda no começo do século XX. Para o serviço de inteligência alemão (Abwehr), porém, ela era a agente nazista identificada pelo número F-7124. A mademoiselle chegou a financiar uma revista fascista editada por um dos amores de sua vida, o ilustrador Paul Iribe. De língua afiada, nunca teve pudores nas conversas entre amigos. “Só tenho medo dos judeus e dos chineses, e mais dos judeus do que dos chineses”, disse ela ao escritor francês Marcel Haedrich, autor de uma de suas biografias, que definia o antissemitismo da estilista como “veemente, antiquado e muitas vezes embaraçoso”. Mas é um novo livro sobre Coco, lançado na última sexta-feira no Brasil, que revela detalhes desse lado mais obscuro de sua vida.
Dormindo com o Inimigo – a guerra secreta de Coco Chanel, do jornalista Hal Vaughan, deixa o glamour da incomparável profissional da moda de lado para detalhar o comportamento dúbio e imoral em seu flerte com o nazismo durante a ocupação alemã na França, entre 1940 e 1944. Além de talentosa e criativa, Coco sempre foi uma mulher determinada, que sabia onde queria chegar e mais: o que fazer para alcançar seus objetivos. Nascida em uma família pobre no interior da França, teve uma infância difícil até ser levada, adolescente, a um orfanato de freiras, onde teve aulas de antissemitismo – em uma época na qual três quartos dos franceses detestavam os judeus (considerados os “assassinos de Cristo”). No começo da vida adulta, depois de passar por um bar onde cantava por alguns poucos trocados, começou sua escalada social ao ir viver no castelo do ex-oficial Étienne Balsan, o primeiro de seus muitos amantes. Com ele, descobriu a importância de se manter bons contatos e o poder que poderia alcançar seduzindo homens. Essas lições foram cruciais para o caminho escolhido por Coco durante a II Guerra Mundial.

Tempos de guerra – Não foi difícil para uma antissemita passar para o lado dos “futuros vencedores”, como acreditava ela, ao ver que os alemães estavam tão poderosos a ponto de tomar Paris. Oportunista diante do caos que se instaurou sobre a capital da França, Coco achou um homem para defendê-la, o alto espião do serviço secreto alemão, barão Hans Günter Dincklage, com quem viveu um longo romance. Foi Dincklage o responsável por envolve-la na inteligência alemã, com quem negociou uma constante troca de favores. Para libertar seu adorado sobrinho André Palasse, prisioneiro de guerra dos nazistas, por exemplo, Coco serviu como mediadora entre os alemães e as suas importantes conexões – que incluíam o então homem mais rico da Europa e ex-amante dela, duque de Westminster, e o primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Winston Churchill. Essa era sua principal função como agente: estender seus contatos pessoais ao regime. Por isso, era definida agente e não espiã, já que nunca chegou a investigar a vida de ninguém. Coco chegou a ser usada, inclusive, para uma tentativa frustrada de mediação de paz entre autoridades dissidentes de Adolf Hitler e Churchill na operação Modelhut (chapéu da moda, em alemão), em uma referência ao fato de ser uma estilista e confeccionar chapéus masculinos para mulheres.
Com o barão Dincklage, a primeira-dama da alta costura continuou a desfrutar uma vida de luxo enquanto os franceses reviravam o lixo nas ruas da cidade-luz para ter o que comer. Ela vivia no soberbo hotel Ritz, em Paris, onde ganhou como vizinhos de quarto inúmeras autoridades nazistas nos quatro anos de ocupação. Coco chegou a ir a Berlim com seu amado para conhecer o chefe da Abwehr, o general Walter Schellenberg. Além disso, aproveitou-se das leis nazistas para tentar, inutilmente, tirar a empresa de perfumes e cosméticos Chanel das mãos de seus sócios judeus, Pierre e Paul Wertheimer, que a ajudaram no início da carreira e lucraram milhões com suas fragrâncias. Como ela, muitos outros franceses cooperaram com a ocupação nazista em Paris. A maioria foi duramente punida após a libertação da França pelos aliados, em 1944. As mulheres que dormiram com os nazistas nessa época, chamadas de “colaboradoras horizontais”, foram arrastadas nuas para fora de suas casas, tiveram seus cabelos raspados, uma suástica pintada em suas cabeças e foram obrigadas a desfilar dessa forma pelas ruas da capital. Coco, porém, não sofreu um único arranhão. Foi poucas vezes obrigada a comparecer à Justiça para explicar suas relações com os alemães, sempre negando seu envolvimento com a inteligência nazista. Depois, mudou-se para a Suíça, só retornando ao seu país-natal em 1956. Tudo com a ajuda de seus poderosos contatos, é claro.

Livro – Em Dormindo com o Inimigo, o jornalista Hal Vaughan mostra a dupla identidade de Coco de uma maneira diferente, ora como admirador, ora como crítico. Mas ele não se limita apenas ao lado nazista da dama da moda francesa, e traz à tona também outras verdades pouco conhecidas sobre ela, como seu vício em morfina e os casos homossexuais – inclusive com modelos da Chanel. E mesmo desmascarando certos pontos da conduta de Coco, o autor não consegue disfarçar o admirador que é da inegável genialidade chaneliana. Afinal, Coco foi grandiosa demais para ser derrubada por suas fraquezas. O mito Chanel prevalece.

TSE disponibiliza base de dados com registros partidários de 1945 a 1979




Interessados em consultar dados de partidos políticos no período de 1945 a 1979 contam, a partir de agora, com um banco de dados disponível na página do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O banco foi criado pela Seção de Arquivo (Searq) do TSE e permite consultas sobre identificação dos partidos, estatutos, manifestos, programas e compromissos firmados, e, ainda, a visualização das principais peças processuais.

Para organizar essas informações, o TSE precisou recuperar processos antigos e organizá-los em três grandes bases: eleitos entre 1945 e 1990; referendo de 1963, plebiscito de 1993 e referendo de 2005; e o mais recente trabalho, que traz documentos históricos dos registros de partidos políticos requeridos entre 1945 e 1979.

Nesse acervo é possível encontrar os eleitos de 1945 a 1990 para os cargos de presidente, vice-presidente, senador, deputado federal e governador. O sistema foi alimentado com informações retiradas, por exemplo, das atas de apuração e mapas eleitorais da época.

É possível acessar também informações como nome do candidato, o partido pelo qual concorreu, o quantitativo de votos, a unidade federativa e o ano da eleição.


Consultas

Já os dados sobre os referendos de 1963 e 2005 e o plebiscito realizado em 1993 permitem relembrar as consultas feitas à população brasileira: Em 1963 os brasileiros foram consultados sobre o sistema de governo (parlamentarismo x presidencialismo), e em 1993 sobre a forma (monarquia x república) e sistema de governo (parlamentarismo x presidencialismo). Em 2005, a população foi consutada sobre o comércio de armas no Brasil.

O acervo pode ser utilizado por historiadores, estudantes, pesquisadores e todos os que tiverem interesse.

Registros partidários

A ideia de reunir e disponibilizar o material sobre esse período da história surgiu de uma demanda intensa e crescente por esses registros. Cerca de 20% dos pedidos de pesquisa do público externo do TSE que chegava à Seção de Arquivo se referia aos registros partidários de 1945 a 1979, em especial dados sobre a criação do Partido Comunista do Brasil.

Em 1945, o retorno da permissão para criar partidos políticos, proibidos durante o Estado Novo (1937-1945), resultou em uma grande quantidade de pedidos de registros partidários.

Na época havia o registro provisório e só depois o partido poderia entrar com o pedido de registro definitivo. Para isso, era necessário coletar 10 mil assinaturas de eleitores no prazo curto de um mês. Essa exigência se tornou uma dificuldade para as agremiações e, com isso, houve também muitos casos de cancelamento de registros provisórios de partidos que nem chegaram a existir.

O acervo reunido pela Seção de Arquivo também retrata o período de extinção do pluripartidarismo no país, em 1965, no período militar, e a criação da Aliança Renovadora Nacional (Arena) e do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), temas também bastante procurados por estudantes e historiadores nos pedidos de pesquisa encaminhados à Searq.

Em 1979, com a extinção das duas organizações existentes, os partidos políticos foram autorizados a funcionar novamente. Com isso nasceu grande parte dos atuais partidos.

Acesse os registros de partidos políticos de 1945 a 1979 clicando aqui.

Acesse dados sobre referendos e plebiscitos clicando aqui.

Assista à matéria em vídeo.

Fonte: Agência de Notícias da Justiça Federal

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Setor Educacional do Mercosul ganha novo portal na internet



O Setor Educacional do Mercosul (SEM) tem um novo canal de comunicação, a página Mercosul Educacional. O site ( http://www.sic.inep.gov.br/ ) é gerenciado pelo Comitê Gestor do Sistema de Informação e Comunicação (CGSIC), composto por representantes dos países membros e associados do Mercosul, que produz e administra as informações.

O portal pode ser acessado em português, espanhol e inglês e foi produzido para atender tanto o público externo, quanto os participantes do SEM.

Nele é possível conseguir documentos, participar de fóruns de discussão, publicações e notícias sobre as atividades do grupo e dos órgãos superiores de educação dos países do Mercosul.

Fonte: O Dia

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Portal online já catalogou mais de um terço das espécies do planeta


A ambição do portal é ter uma página para cada espécie

O projeto Enciclopédia da Vida, portal online que ambiciona listar todas as espécies de animais e plantas conhecidas para a Ciência, afirma já ter conseguido catalogar um terço das espécies.

Atualmente estão listadas 750 mil espécies no site Encyclopedia of Life (EoL), foi hoje revelado. Jennifer Preece, da Universidade de Maryland, considera que a EoL, “guia de campo online”, está comprometido a reunir “todas as espécies do mundo”, mais que os sites que listam grupos de espécies como insectos, aves ou mamíferos. 

“O nosso conhecimento das muitas formas de vida neste planeta está espalhado por livros, revistas, bases de dados, sites, colecções e na cabeça de investigadores por todo o mundo”, escrevem os responsáveis pelo EoL. Por isso, o objectivo é “reunir toda esta informação e disponibilizá-la para qualquer pessoa, em qualquer lado”.

O projeto, que começou a funcionar em 2007, utiliza as imagens, vídeos e dados científicos de 176 parceiros e permite aos seus membros criar a sua própria coleção natural.

A EoL quer “ser um microscópio ao contrário, ou um ‘macroscópio’, que ajude os utilizadores a ter uma imagem dos padrões naturais a larga escala”, explicam. Agora, o EoL “reúne cidadãos, estudantes, professores, conservacionistas e investigadores de todo o mundo, em tempo real, para explorar a complexidade da biodiversidade”, comenta o diretor-executivo do projeto, Erick Mata.

Agora apresenta um portal renovado, “mais fácil de usar”. A maior ambição é ter uma página para cada espécie do planeta. Hoje tem mais de 700 mil páginas, 600 mil fotografias e vídeos e uma biblioteca sobre Biodiversidade.



Fonte: Público - Portugal

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Fisioterapia.com




Fisioterapia.com promete ter um dos conteúdos mais completos do setor na rede mundial de computadores

Os fisioterapeutas de todo o Brasil acabam de ganhar uma nova opção para conseguirem materiais teóricos e notícias relacionadas à profissão. O portal Fisioterapia.com (www.fisioterapia.com), projeto desenvolvido pelo Grupo Inspirar sob a coordenação dos fisioterapeutas Marcelo Márcio Xavier e Esperidião Elias Aquim, agrega conteúdos específicos para os visitantes e dá a oportunidade para que empresas e profissionais divulguem seus produtos e serviços.

No novo portal, os fisioterapeutas podem visualizar cursos de extensão, pós-graduação e cursos à distância oferecidos em todas as regiões do país. Além disso, uma conta de e-mail e, até mesmo, um blog poderão ser criados de forma rápida e fácil na esfera do Fisioterapia.com. “O site é atualizado diariamente com um vasto material sobre fisioterapia, entre eles vídeos, notícias e classificados, que oferecem, por exemplo, vagas de empregos e equipamentos utilizados em clínicas especializadas”, detalha o Dr. Esperidião Elias Aquim.

Para o Dr. Marcelo Márcio Xavier, o portal Fisioterapia.com tem tudo para se transformar em uma importante ferramenta de trabalho para fisioterapeutas de todo o Brasil. “Em nenhum outro site brasileiro os profissionais da fisioterapia irão encontrar tantas informações relevantes sobre a profissão, característica que irá revolucionar o atual panorama do mercado. Além disso, o novo portal trabalha com ferramentas fundamentais para divulgação de clínicas e profissionais liberais”, completa.

Para conhecer o melhor e maior conteúdo em fisioterapia do Brasil, acesse o site www.fisioterapia.com

Fonte: Segs